Foca-caranguejeira encontrada por munícipes de São Sebastião é solta na natureza após reabilitação

29/09/2021

Graças à dedicação do Instituto Argonauta, o animal conseguiu voltar à vida marinha

Em 30 de junho, moradores de Calhetas encontraram a foca-caranguejeira debilitada na areia da praia e acionaram a equipe do Instituto Argonauta, parceiro da Prefeitura de São Sebastião, na Unidade de Estabilização situada no Balneário dos Trabalhadores.

O Instituto, pertencente ao Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), avaliou as condições de saúde do animal no momento do resgate e constatou que a foca estava fraca, apática e com algumas lesões na pele. Ela foi devidamente transferida para o Centro de Reabilitação e Despetrolização (CRD) em Ubatuba, onde foi cuidada por veterinários.

Foram três meses de tratamento, em que o animal recebeu reforço nutricional e ganhou peso, preparando-se para o retorno à vida marinha. Foi seguido um protocolo com normativas para animais antárticos e subantárticos, que atesta o processo de reabilitação e garante a ausência de enfermidades no animal.

“Mais do que ganhar peso, o animal tem que conseguir se alimentar sozinho, estar livre de doenças e com as reações esperadas para a espécie”, explica a bióloga Carla Beatriz Barbosa, diretora executiva do Instituto Argonauta e Coordenadora do PMP-BS Trecho 10.

Uma marcação com um brinco com numeração e contato nas nadadeiras posteriores foram postos no animal para que sua identificação seja feita em uma possível reavistagem.

A soltura da foca foi realizada nesta segunda-feira (27), em mar aberto, em região próxima à que foi encontrada, para auxiliá-la na sua jornada de volta para casa. 

A operação contou também com o apoio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), por meio da equipe do oceanógrafo Milton Kampel, pesquisador responsável pelo Laboratório MOceanS (Monitoramento Oceânico por Satélite); da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática; e da Coordenação-Geral de Ciências da Terra do INPE, que monitorou e forneceu as informações sobre as correntes marítimas que melhor se encaixavam ao desempenho da foca.

Sobre a foca-caranguejeira

O animal encontrado possuía cerca de 1,60m (a espécie pode atingir até 2,60m). Entre as características físicas estão cabeça e focinhos largos, nadadeiras anteriores grandes e em forma de remo, e pelagem com coloração clara.

Apesar do nome popular, essa espécie, Lobodon carcinophaga, não come caranguejos, e sim pequenos crustáceos como o krill, pequenos peixes e lulas.

Costuma aparecer principalmente na região subantártica e antártica. No Brasil, há registros ocasionais da foca-caranguejeira na região Sul e Sudeste, sendo que é a terceira ocorrência da espécie no Litoral Norte de São Paulo nos últimos 12 anos.

Fonte: Instituto Argonauta

+23
°
C
H: +23°
L: +20°
Ilhabela
Quinta-Feira, 22 Abril
Ver Previsão de 7 Dias
SexSábDomSegTerQua
+24°+24°+24°+23°+24°+23°
+19°+18°+19°+20°+20°+21°

Deixe um comentário

Últimas Notícias
08/08/2022
Se em alguns Estados, como na Bahia, alguns dos principais candidatos tentam ...
Últimas Notícias
08/08/2022
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou nesta segunda-feira, 8, um ...
Legislativo
08/08/2022
A Câmara de Ilhabela realiza, nesta terça-feira (09/08), Sessão Ordinária, ...